Calendário de Eventos

Flat View
By Year
Vista mensal
By Month
Weekly View
By Week
Daily View
Today
Search
Pesquisar

Vista mensal

Julho, 2018
     Junho Junho Julho, 2018 Agosto Agosto
Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Domingo
26 25 26 27 28 29 30
  1
27
  2
  3
  4
  5
  6
  7
  8
28
  9
  10
  11
  12
  13
  14
  15
29
  16
  17
  18
  19
  20
  21
  22
30
  23
  24
  25
  26
  27
  28
  29
31
  30
  31
1 2 3 4 5

Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
  • Fiscalização em porto de Macapá evita saída de frutas nas bagagens de passageiros; alerta para a mosca da carambola

    Fiscais da Diagro concentraram ação no Igarapé das Pedrinhas neste sábado (17). Embarcações no Igarapé das Pedrinhas, em Macapá, são fiscalizadas por técnicos da Diagro Rita Torrinha/G1 Embarcações com destino a regiões do Pará, estado vizinho do Amapá, estão sob a mira da Agência de Inspeção Agropecuária (Diagro). Uma fiscalização ocorreu na manhã deste sábado (17), no Igarapé das Pedrinhas, Zona Sul de Macapá, com o objetivo de evitar que passageiros e a tripulação levem frutas na viagem, evitando assim a propagação da mosca da carambola para outros estados. Essas ações de contenção são constantes, segundo o órgão. As fiscalizações também ocorrem no aeroporto, com ações educativas e repressivas, e principalmente nos portos de Santana, Macapá e Laranjal do Jari, no sul do Amapá, que faz divisa com o Pará. O receio da expansão da praga é grande. Isso porque o Amapá é uma área de risco e o carregamento de frutos contaminados com a praga pode resultar em crise econômica para outros estados da federação. “O Pará tem uma grande produção de laranja e se alastrar para lá vai ser feito barreira, a indústria vai sofrer sério dano econômico e a laranja será impedida de sair para o resto do país. Existe uma portaria ministerial que proíbe a saída de qualquer fruta hospedeira da mosca da carambola do Amapá”, informou o auditor fiscal agropecuário da Diagro, Nilo Magalhães. Llavrador Ismael Sardinha Rita Torrinha/G1 Neste sábado, a primeira embarcação fiscalizada estava a caminho do município de Breves (PA). Todos os passageiros e a carga do transporte foram vistoriados. O lavrador Ismael Sardinha, de 23 anos, teve que abrir as bagagens, mas disse não ter se importado e considerou a ação importante. “Achei a ação boa, é bom para a gente saber mais. Eu mexo com a terra e com plantação, e pra mim é importante essas informações. Não me causou incomodo eles abrirem as minhas bagagens, até porque tem um ditado que diz: ‘quem não deve não teme’”, falou. O Amapá não é um estado exportador de frutas. Grande parte desses alimentos vem também do estado do Pará, pelo rio Amazonas, em pequenas e médias embarcações. A preocupação é a extensa área de portos, por onde chegam, diariamente, dezenas de embarcações com frutas. A mosca da carambola (Bactrocera carambolae) é uma praga quarentenária que pode causar prejuízos à agricultura brasileira Danilo Nascimento/Embrapa/Reprodução A praga não ataca somente a carambola, mas também outros frutos como acerola, taperebá, tangerina, manga, goiaba, laranja, caju, tomate, jaca, jambo. Por essa razão, a fiscalização é frequente. “Essa é uma ação de rotina. Há registro da mosca da carambola em mais de 50 frutas. Esse ciclo, durante 10 anos, se a gente for fazer o histórico, veio de Oiapoque e chegou até a capital. Existe uma dificuldade geográfica de fazer a contenção, não só dessa praga como de outras. Os estados ficam em alerta constante e fazendo a contenção e fiscalização”, ressaltou o diretor-presidente da Diagro, José Renato Ribeiro. Auditor fiscal agropecuário da Diagro, Nilo Magalhães Rita Torrinha/G1 Passageiro que estiver com frutas na bagagem é orientado a entregá-las para familiares que não irão viajar ou é feita a retenção dos produtos. A fiscalização conta com o apoio da Polícia Militar. As pesquisas e o controle da mosca, com uso de defensivos ou armadilhas, são para evitar a expansão da praga pelo país. Caso o inseto chegue em áreas produtoras de frutas, como o Sul, Sudeste e Nordeste, o prejuízo econômico seria enorme. Os países compradores cortariam a relação econômica. O inseto, que veio da Ásia, entrou no Brasil pela Guiana Francesa e Suriname nos anos de 1996. Para evitar esse dano econômico fica a mensagem: as pessoas não devem transportar frutas entre os estados. Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!
  • Assista aos telejornais da TV Bahia
    Assista aos telejornais da TV Bahia
  • VÍDEOS: TEM Notícias 1ª edição de Sorocaba e Jundiaí deste sábado, 17 de novembro

    Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Sorocaba e Jundiaí. Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Sorocaba e Jundiaí.