Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
  • 'Levantei as mãos para o céu', diz homem que sobreviveu após ter carro prensado entre caminhão e ônibus

    Acidente aconteceu no trecho urbano da BR-376, em Ponta Grossa; resgate de Francisco Marcos Sabatini durou quase duas horas. 'Uma hora e meia que custou um ano', afirmou o homem resgatado de ferragens de carro na BR-376 O motorista Francisco Marcos Sabatini, de 41 anos, que sobreviveu após ter o carro prensado entre um caminhão e um ônibus, em um acidente no trecho urbano da BR-376, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, agradeceu o trabalho da equipe de resgate. "Levantei as mãos para o céu, que estava agradecendo", afirmou. Após o acidente, na tarde de segunda-feira (22), Sabatini foi levado com ferimentos graves para o Pronto Socorro Municipal. O resgate do motorista, que ficou preso nas ferragens do carro, durou quase duas horas. Francisco conta que, para ele, o tempo de resgate foi "uma hora e meia que custou um ano". 'Levantei as mãos para o céu', diz homem que sobreviveu após ter carro prensado entre caminhão e ônibus, em Ponta Grossa Reprodução/RPC O acidente A batida envolveu quatro veículos. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um dos caminhões encontrou trânsito lento na rodovia e acabou batendo na traseira do carro da vítima. Com o impacto, o carro de Sabatini, ficou preso entre nos veículos que seguiam à frente - um caminhão e um ônibus. "Quando eu vi, o caminhão atrás de mim já deu a primeira encostada. Deu a primeira, segunda, terceira, na quarta, quando eu vi que não tinha o que fazer, simplesmente eu puxei o carro pro lado esquerdo, freei o carro e senti todas aquelas pancadas", relembra o motorista. Carro é esmagado em acidente na Avenida Presidente Kennedy, em Ponta Grossa Fábio Ângelo/ RPC O motorista conta que estava indo visitar uma comadre e, ao seguir pela rodovia, pretendia dar carona para uma sobrinha que saía do colégio, para levá-la em casa. Ele diz que teve lembranças da família ao se acidentar. "Veio a imagem da minha filha, a imagem da minha esposa, a imagem da outra filha minha, e eu pedindo 'por favor me salve', não quero morrer", relembrou. Veja mais notícias da região no G1 Campos Gerais e Sul.
  • Homem é preso na Rocinha suspeito de tentar matar a ex-mulher com um facão

    Ciúmes foi a motivação do crime, de acordo com a polícia. Golpes do agressor foram em direção ao peito da vítima, segundo informações de hospital. Faca utilizada em crime Divulgação/Polícia Civil Um homem foi preso em flagrante na tarde desta terça-feira (23) suspeito de tentar matar a ex-mulher com um facão. O crime, segundo a polícia, ocorreu na Rocinha, favela na Zona Sul do Rio. Segundo informações da 11ª DP (Rocinha), agentes da delegacia e policiais militares do 23º BPM (Leblon) constataram que João Isaias da Silva tentou matar a ex-mulher por volta das 15h30, na Travessa Palmas, que fica na Via Apia. Separado há um ano da ex-mulher, os agentes apuraram que o crime teria ocorrido por ciúmes, já que a ex-companheira estava namorando outra pessoa. Informações do Hospital Miguel Couto, na Gávea, repassadas à polícia indicam que a vítima tentou se defender das facadas e que os golpes do agressor foram em direção ao peito da mulher, que ficou ferida nos braços. João foi imobilizado por outros moradores da comunidade e apresentado a PMs. Em seguida, o homem foi encaminhado à delegacia, onde segundo a polícia confessou o crime. O suspeito acabou autuado por tentativa de homicídio qualificado. Depois, uma equipe da 11ª DP foi ao local onde a vítima foi ataca e conseguiu encontrar a faca utilizada pelo suspeito. A vítima está internada no hospital e deverá ser ouvida depois que se recuperar.
  • Equipes do Ibama sofrem ataques durante fiscalização na Amazônia
    Ministério do Meio Ambiente pediu urgência na investigação de dois atentados contra equipes. 'Não vão nos intimidar', disse ministro. Ministério do Meio Ambiente pede investigação de ataques contra equipes do Ibama e ICMBio O Ministério do Meio Ambiente pediu urgência na investigação de dois atentados contra equipes que combatiam o desmatamento na Amazônia. No caminho das equipes de fiscalização, uma ponte de madeira em chamas. O incêndio, na sexta feira (19), foi para tentar impedir uma operação do Instituto Chico Mendes contra o desmatamento na Floresta Nacional de Itaituba 2, no Sudoeste do Pará. Segundo o instituto, moradores da região também bloquearam outros dois acessos à mata e atiraram para o alto para intimidar os agentes ambientais. “No que depender de nós, vamos agir. Onde eles entrarem, nós vamos queimar ponte, vamos fazer coisas para eles sempre sofrerem”, diz um morador em uma gravação. Os fiscais pediram reforço da Polícia Militar para deixar a floresta. Os agentes aplicaram 11 multas por desmatamento ilegal e apreenderam caminhões, tratores e motosserras. No sábado (20), três carros do Ibama foram incendiados em Buritis, Rondônia, quando as equipes se preparavam para uma operação. A polícia prendeu um suspeito. Em julho de 2017, oito carros do Ibama foram queimados em Altamira, Sudoeste do Pará. Três meses depois, as sedes do Ibama e do Instituto Chico Mendes, em Humaitá, no Sul do Amazonas, foram incendiadas. A ação criminosa foi após uma operação de combate ao garimpo ilegal no Rio Madeira. Os ataques vêm ocorrendo no chamado arco do desmatamento, que começa no Norte de Rondônia, passa pelo Sul do Amazonas e vai até o Oeste do Pará. A região é cobiçada por madeireiros, garimpeiros e invasores de terras públicas por ser uma das áreas mais ricas em biodiversidade na Amazônia. Depois dos últimos atentados, o Ministério do Meio Ambiente disse que vai intensificar a fiscalização. “Nós não vamos aceitar e não vamos permitir que atentem contra a vida e contra as ações de órgãos como o Ibama e ICMBio. Que essas ameaças e esses atentados agora, que eles não sirvam de intimidação porque não vão nos intimidar, nós vamos continuar trabalhando porque a nossa ação é contra o crime. Nós estamos atuando contra àqueles que estão na ilegalidade”, afirmou o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte.