Calendário de Eventos

Flat View
By Year
Vista mensal
By Month
Weekly View
By Week
Daily View
Today
Search
Pesquisar
Mayra Ap 102C salao e churrasqueira
Sábado, Junho 09, 2018, 08:00 - 22:00
por zelador
Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
  • Moda perigosa: cigarros eletrônicos viram caso de polícia nos EUA
    No Brasil, a comercialização dos cigarros eletrônicos é proibida pela Agência Nacional de Saúde. Moda perigosa: cigarros eletrônicos viram caso de polícia nos Estados Unidos Foi de repente que os professores de uma escola nos Estados Unidos perceberam que os alunos estavam pedindo demais para ir ao banheiro e não ficavam cinco minutos, mas 20 minutos, meia hora. Eles resolveram investigar e descobriram que os alunos se reuniam para fumar cigarros eletrônicos. “A nicotina é a droga que provoca a dependência química mais escravizante que a medicina conhece. O cigarro eletrônico é um aparelhinho para administrar a nicotina. A diferença é que o cigarro comum contém alcatrão e outras substâncias cancerígenas. Mas a nicotina é a mesma, afirma Dr. Drauzio Varella. Nos Estados Unidos, o governo está investigando várias marcas de cigarros eletrônicos que, segundo eles, têm como público-alvo exatamente os adolescentes. Principalmente por causa dos sabores, como: morango, chiclete e maçã. No Brasil, a comercialização dos cigarros eletrônicos é proibida pela Agência Nacional de Saúde. A Anvisa diz que não há estudos que comprovem que esses dispositivos trazem menos risco à saúde.
  • Djavan apresenta nova música, 'Solitude', no palco do Fantástico

    O cantor conversou com apresentador Tadeu Schmidt sobre seu novo disco, que sai em novembro, e cantou sucessos como 'Se', 'Samurai' e 'Sina' e uma versão de 'Toda Sua', da Iza. Djavan apresenta nova música, 'Solitude', no palco do Fantástico O homem-ritmo, Djavan, está com um disco novo prontinho no forno para ser lançado, em novembro. O primeiro show desse trabalho, “Solitude”, aconteceu no palco do Fantástico. O cantor Djavan, que lança no palco do Fantástico seu novo trabalho, 'Solitude' Felipe Martini/Globo O cantor conversou com apresentador Tadeu Schmidt e apresentou a faixa-título, “Solitude”, os sucessos “Se”, “Samurai” e “Sina” e uma versão de “Toda Sua”, da Iza. Assista à entrevista acima e à integra dos musicais nos vídeos abaixo. Tadeu Schmidt toca violão e canta ao lado de Djavan Tadeu Schmidt toca violão e canta ao lado de Djavan "SOLITUDE" Djavan canta "Solitude" no palco do Fantástico "SE" Djavan canta 'Se' no palco do Fantástico "SAMURAI" Djavan canta "Samurai" no palco do Fantástico 'EU TE DEVORO' Djavan canta "Eu te devoro" no palco do Fantástico "TODO SEU" (VERSÃO DE "TODA SUA", DA IZA) Djavan canta 'Toda Sua', de Iza, no palco do Fantástico
  • TSE dá prosseguimento a ação do PDT contra Bolsonaro, mas nega pedido de liminar

    Decisão é do ministro Jorge Mussi. Ações se baseiam em reportagem que aponta o envio em massa por empresas de mensagens contra o PT no WhatsApp para beneficiar Bolsonaro. A fachada do prédio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Ueslei Marcelino/Reuters O ministro Jorge Mussi, corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), deu prosseguimento neste domingo (21) a uma ação apresentada pelo PDT e pela Coligação Brasil Soberano (integrada por PDT e Avante) contra o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. Uma segunda ação, com teor parecido, apresentada apenas pela coligação, também foi instaurada. O corregedor deu prazo de cinco dias para a defesa do candidato se manifestar e negou todos os pedidos de liminar – decisão provisória – que constavam das duas ações. Entre outros pontos rejeitados está o pedido para impedir Bolsonaro e o vice na sua chapa, Hamilton Mourão, de veicularem qualquer notícia por meio de rede social e, principalmente, WhatsApp. O PDT e a coligação baseiam as ações em reportagem da "Folha de S.Paulo" segundo a qual empresários que apoiam Bolsonaro contrataram serviços para envio em massa de mensagens contra o PT por meio do WhatsApp. Essa prática, em tese, pode ser ilegal, caso seja considerada pela Justiça doação de campanha feita por empresas. Desde 2015, empresas estão proibidas de fazer doação eleitoral. Segundo a "Folha", as empresas apoiadoras de Bolsonaro compram um serviço chamado "disparo em massa" usando a base de usuários do candidato do PSL ou bases vendidas por agências de estratégia digital. O uso de bases de terceiros pode ser considerado ilegal, já que a lei permite apenas o uso de listas de apoiadores do próprio candidato (nos casos de números cedidos de forma voluntária). A campanha de Jair Bolsonaro nega irregularidades. As duas ações do PDT e da coligação pedem a convocação de uma nova eleição de primeiro turno sem Jair Bolsonaro. Na sexta, o ministro já havia aberto uma investigação sobre a campanha de Bolsonaro a pedido do PT, mas negou busca e apreensão e quebras de sigilo de empresas que teriam beneficiado Bolsonaro. Ações Após a resposta da defesa de Bolsonaro, o corregedor vai analisar a necessidade de novas provas. As ações terão de ser julgadas pelo TSE, em data ainda não prevista. No primeiro turno, realizado no último dia 7, o candidato do PDT, Ciro Gomes, recebeu 13,3 milhões de votos (12,4%) e ficou em terceiro lugar, atrás de Bolsonaro (46,03%) e de Fernando Haddad, do PT (29,28%).