Viver em Condomínio

Viver em Condomínio, Vida em Sociedade!

A liberdade de cada um termina onde começa a liberdade dos outros.

Nada mais verdadeiro quando falamos de viver dentro de um mesmo espaço físico.

Assim deve ser encarado o relacionamento entre vizinhos, entre condóminos, pessoas que entre si, têm muito em comum, que mais não seja, as partes comuns do edifício e o bem-estar.

Para que a vida decorra de forma harmoniosa, devem os habitantes de uma propriedade horizontal saber reconhecer os seus direitos, sobretudo as suas obrigações.

São deveres, os regulamentares, os legais e os baseados na mais elementar regra o bom senso:

  • Promover uma sã vivência, evitando os atritos, privilegiando o diálogo
  • Comparticipar atempadamente nas despesas do prédio e participar na sua gestão
  • Promover a segurança do prédio, dos seus bens, dos bens gerais, dos que o habitam
  • Cumprir o Regulamento Interno, as decisões da Assembleia geral e a Lei
  • Comunicar por escrito o seu domicílio no caso de não residir no prédio
  • Não prejudicar deliberadamente ou por incúria, a linha estética do edifício
  • Não fazer obras incorrectas, ou deixar de fazer as imprescindíveis
  • Não destinar a sua fracção a fins diferentes daquelas para que foi construída ou inadequados
  • O não cumprimento das obrigações leva muito a perder, pode levar mesmo a outras despesas

Com a falta de cumprimento, o prédio degrada-se, perde valor (de transacção, de arrendamento)

Pior que tudo isso, a vida degrada-se, as pessoas agridem-se, ofendem-se, e isto não é viver!

 

 
DSCF2066
DSCF2069
DSCF2108
DSCF2109
casacata1
cascata
entrada
hall
Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
  • Terremoto de 8,2 graus atinge o Pacífico perto de Fiji e não causa vítimas
    Profundidade de 559 quilômetros diminuiu impacto na superfície. Serviço de Alertas por Tsunami do Pacífico previu que abalo não provocaria onda destrutiva. Um terremoto de magnitude 8,2 graus na escala Richter atingiu as águas do Pacífico entre os estados insulanos de Fiji e Tonga. O Serviço Geológico dos Estados Unidos, que registra a atividade sísmica no mundo todo, situou o hipocentro a 559 quilômetros de profundidade sob o leito do mar. O mesmo serviço situou o tremor a 361 quilômetros a leste de Suva, capital de Fiji, e a 451 a noroeste de Nuku'alofa, a de Tonga. O Serviço de Alertas por Tsunami do Pacífico indicou que não esperava que o terremoto provocasse uma onda destrutiva e não emitiu nenhum alerta. Um porta-voz do serviço geológico GNS da Nova Zelândia disse a "Radio New Zealand" que a profundidade do terremoto diminuiu o impacto na superfície e o risco de tsunami.
  • Barretos 2018: Marília Mendonça toca sucessos da sofrência; FOTOS

    Cantora sertaneja abriu o show da diva country Shania Twain e disse "se sentir honrada por fazer parte desta noite histórica". Marília Mendonça tocou no palco principal da Festa do Peão de Barretos de 2018 Érico Andrade/G1 Cantora levantou os festeiros com os sucessos Amante Não Tem Lar Infiel e Eu Sei de Cor Érico Andrade/G1 Cantora Marília Mendonça embalou o público com hits de sucesso, em Barretos Érico Andrade/G1 Marília Mendonça levou sofrência para Arena de Barretos Érico Andrade/G1 Marília Mendonça agitou os fãs na noite de sábado (18), em Barretos 2018 Érico Andrade/G1 Cantora sertaneja, Marília Mendonça emagreceu 20 kg e mostrou desenvoltura no palco de Barretos Érico Andrade/G1 Marília Mendonça na Festa do Peão de Barretos de 2018 Érico Andrade/G1 Compositora de sucessos do sertanejo, Marília Mendonça conquistou público com canções de sofrência Érico Andrade/G1 Marília Mendonça abre a terceira noite de shows em Barretos Érico Andrade/G1 Cantora Marília Mendonça interage com o público, em Barretos 2018 Érico Andrade/G1 Marília Mendonça faz músicas que falam de amor e tocam o coração Érico Andrade/G1 Embalando os fãs, Marília Mendonça canta o sucesso Infiel, na Festa Peão de Barretos Érico Andrade/G1 Marília Mendonça caprichou no figurino para show na Arena de Barretos Érico Andrade/G1 A rainha da sofrência, Marília Mendonça se apresentou em Barretos 2018 Érico Andrade/G1
  • Filmes de Porto Alegre, Região Metropolitana e interior competem na mostra de curtas gaúchos em Gramado

    Prêmio será entregue neste domingo (20). Vinte filmes participam da competição do Festival de Cinema de Gramado. Primeira parte dos curtas gaúchos foram apresentados no sábado (19), e o restante será no domingo (20). Premiação ocorre depois Fabio Winter/Pressphoto O primeiro premiado do 46º Festival de Cinema de Gramado será conhecido neste domingo (19). O melhor curta gaúcho do festival ganhará o Troféu Assembleia Legislativa, em cerimônia no Palácio dos Festivais. Vinte filmes concorrem ao prêmio, vindos de Porto Alegre, Encantado, Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Santa Maria, Pelotas e Caxias do Sul. Os dez primeiros foram exibidos no sábado (19), e o restante será no domingo. Confira a lista abaixo: Curtas-metragens gaúchos - prêmio Assembleia Legislativa: “À Sombra” (Canoas), de Felipe Iesbick “O Abismo” (Sapucaia do Sul), de Lucas Reis “Antes do Lembrar” (Porto Alegre), de Luciana Mazeto e Vinícius Lopes “Coágulo” (São Leopoldo), de Jéssica Gonzatto “O Comedor de Sementes” (São Leopoldo), de Victoria Farina “Um Corpo Feminino” (Porto Alegre), de Thais Fernandes “Entre Sós” (Porto Alegre), de Caetano Salerno “Fè Mye Talè” (Encantado), de Henrique Both Lahude “A Formidável Fabriqueta de Sonhos Menina Betina” (Pelotas), de Tiago Ribeiro “Gasparotto” (Porto Alegre), de Zeca Brito “Grito” (Santa Maria), de Luiz Alberto Cassol “Maçãs em Fogo” (Porto Alegre), de Bruno de Oliveira “Movimento à Margem” (Porto Alegre), de Lícia Arosteguy e Lucas Tergolina “Mulher Ltda” (Canoas), de Taísa Ennes “Nós Montanha” (Porto Alegre), de Gabriel Motta “Pelos Velhos Tempos” (Porto Alegre), de Ulisses da Motta “Sem Abrigo” (Porto Alegre), de Leonardo Remor “Subtexto” (Caxias do Sul), de Cristian Beltrán “Vinil” (Porto Alegre), de Catherine Silveira de Vargas e Valentina Peroni Freire Barata “O Viúvo” (Porto Alegre), de Luiz Carlos Wolf Chemale No próximo sábado (25), os vencedores da mostra de curtas nacionais, longas nacionais e longas estrangeiros serão anunciados, em cerimônia que será transmitida pelo G1.